segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Começando o ano de forma realmente diferente

 
 
 
Eu quero um ano diferente e realmente comecei o ano de forma diferente. Ontem, incomumente, passei o dia 1º, descansando. Na cama, preguiçando, sonhando, escrevendo... coisa que jamais aconteceria se eu estive no Rio de Janeiro, como de costume. Sem ânsia, sem pressa... em paz mas curtindo, curtindo minha cama, meu quarto e meus pensamentos.
Hoje, eu estava indignada de ter que voltar a trabalhar dia 02 logo cedo e... desejo realizado... kkkk... não fui trabalhar, fui para o Sarah! Nada legal começar o ano num hospital... é, depende do motivo. Eu estou "bem" ou, melhor dizendo, nada mudou no meu estado desde 2011. Não fui fazer exames, ser revirada ou coisa do tipo, fui apenas deixar minha cadeira. Apenas??? Seria apenas se a minha cadeira fosse apenas um objeto como deve passar na cabeça de vocês mas não é! Minha cadeira é extensão do meu corpo, é ela que possibilita que eu possa me movimentar e por isso, meu bem mais precioso. É sem ela que me sinto imóvel, paralisada e não, pela falta de movimento em minhas pernas. Na verdade, poucas vezes sinto falta dele mas dela...  Claro, o Sarah cedeu uma cadeira para que eu pudesse voltar pra casa e tocar minha rotina mas vocês entendem que essa não é parte do meu corpo? Acredito que não mas para exemplicar, imagino que seja mais ou menos como se substituíssem temporariamente suas pernas por pernas mecânicas. Não me sinto segura na cadeira, perco a noção da dimensão que ocupo, não sei mais o espaço de que necessito... e as tarefas mais básicas do cotidiano se tornam quase impossíveis de fazer sozinha, como entrar no elevador, passar da cadeira para o meu carro e vice-versa, dela para a cama e também vice-versa, entrar no banheiro. Acabo de retornar, chegar em casa e já me sinto num caos, completamente vulnerável! Minha vontade é ficar na cama esperando esses 3 intermináveis dias passarem. Mas eu não vou reclamar, embora isto pareça uma reclamação, não é. Pensei sim, em pegar um atestado e esperar esses dias passarem mas não, vou começar o ano com o pé direito, me superando e superando mais um obstáculo físico, psicológico e emocional, podem acreditar.
Eu só tenho que agradecer. Agradecer ao Sérgio que me atendeu e prometeu me entregar a cadeira em 3 dias na tentativa de minimizar o transtorno, porque o prazo era de 15 dias. E agradecer ao Sarah porque a cadeira só está lá para voltar melhor. E ela estava mesmo precisando de uns ajustezinhos... quem conhece sabe. rs
Esse transtorno só me ajuda a clarear a idéia de retomar meu projeto do ano anterior de uma cadeira nova e realizar. É sempre difícil tomar essa decisão por tudo o que citei acima, um novo processo de adaptação é necessário, com tombos, machucados, novos obstáculos, adaptações...  demorei, como sempre, a me acostumar com a idéia mas já decidi, eu vou trocar. Ano novo, cadeira nova!!! Mas enquanto isso, a minha velhinha vai voltar novinha pra me acompanhar mais um pouquinho.

Um comentário:

  1. Cami, você me "empurra" pra uma vida melhor! Amo você! Bjo!

    ResponderExcluir